Nova técnica pode avaliar risco de doenças cardíacas

Uma técnica de imagem conhecida como tomografia optoacústica multiespectral volumétrica (vMSOT) pode ajudar a avançar na avaliação não invasiva da doença cardiovascular.

13 Fev, 2019

De acordo com um estudo publicado on line na revista 'Radiology', em 12 de fevereiro, uma nova técnica de imagem conhecida como tomografia optoacústica multiespectral volumétrica (vMSOT) forneceu uma melhor visualização das artérias carótidas e pode ajudar a avançar na avaliação não invasiva da doença cardiovascular. 

O acúmulo de placas nas artérias carótidas é um dos principais fatores de risco para o acidente vascular cerebral isquêmico, e os médicos geralmente se baseiam em ultrassonografia, ressonância magnética ou tomografia computadorizada para identificá-lo.

Uma limitação importante com essas modalidades de imagem padrão é que elas são inadequadas para revelar a composição da placa. “Isso é crucial, uma vez que a probabilidade de uma placa se romper e causar um derrame está fortemente associada à sua composição”, observou o autor sênior Daniel Razansky, PhD, da Universidade de Zurique e colegas. A identificação precoce e o tratamento de placas suscetíveis à ruptura podem ajudar a reduzir o risco de doenças cardiovasculares.

Para melhorar a avaliação da placa na artéria carótida, os pesquisadores se voltaram para a relativamente nova modalidade de imagem vMSOT, usando um scanner portátil que emprega espectroscopia para exibir tecido em escala molecular. Movendo um dispositivo vMSOT ao longo do pescoço de um indivíduo, os médicos são capazes de determinar de forma não invasiva a composição das placas arteriais - incluindo lipídios, melanina e outros biomarcadores - ajudando-os a estimar o risco de ruptura da placa.

"A rápida caracterização da função tecidual e da composição molecular é limitada com as modalidades [de imagem padrão], que geralmente resultam em baixa precisão diagnóstica e tratamentos ineficazes", disse Razansky em um comunicado. "Ao contrário da maioria das outras modalidades de imagens clínicas, que analisam principalmente as manifestações anatômicas de estágio tardio de doenças, a vMSOT é capaz de detectar moléculas específicas em tecidos sem a administração de agentes de contraste."

Para testar a técnica, o grupo adquiriu imagens vMSOT de 16 indivíduos que foram submetidos previamente a exames ultrassonográficos convencionais. O dispositivo vMSOT forneceu um campo de visão efetivo de aproximadamente 2 cm3 com o potencial de ajuste de profundidade de até 30 mm, tudo em tempo real. As imagens capturadas com o dispositivo também mostraram consideravelmente menos artefatos de movimento e desfoque do que são normalmente visíveis nas varreduras de ultra-som, de acordo com os pesquisadores.

Uma vantagem fundamental do vMSOT é que ele pode visualizar a artéria carótida, artéria carótida interna e artéria carótida externa em um único quadro de imagem volumétrico - permitindo a renderização em volume 3D com um único disparo sem a necessidade de escaneamento da sonda, segundo os autores . Em contraste, obter uma visão completa das carótidas com ultra-som requer um longo tempo de aquisição e a necessidade de alternar entre várias vistas em corte transversal 2D.

"No caso da doença da artéria carótida, a avaliação de toda a área de bifurcação em tempo real e em 3D só é possível com o vMSOT", disse Razansky. "Também tem o potencial adicional de identificação e avaliação sem rótulo de biomarcadores clinicamente relevantes da doença da artéria carótida, o que ajuda no diagnóstico precoce e preciso, no planejamento oportuno do tratamento e no monitoramento".

Para estudos futuros, o grupo propôs combinar o vMSOT com ultra-som para uma caracterização ainda mais abrangente da artéria carótida. "Devido ao seu rápido desempenho de imagem, excelente contraste molecular, portabilidade e acessibilidade, eu realmente acredito que o vMSOT em breve será usado rotineiramente na clínica", disse ele. "Um dia, pode até se tornar tão popular quanto o ultrassom."

Fonte: https://www.auntminnie.com/index.aspx?sec=sup&sub=ult&pag=dis&ItemID=124488/Imagem: cortesia da RSNA

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS