RM mostra alterações no fluxo sanguíneo cerebral de crianças com doença renal

As mudanças no fluxo sangüíneo no cérebro de crianças, adolescentes e adultos jovens com doença renal crônica podem explicar por que muitos enfrentam um risco maior de comprometimento cognitivo, de acordo com um estudo publicado online na revista Radiology.

05 Jul, 2018

A técnica de marcação arterial spin no exame de ressonância magnética (MRI) é uma ferramenta valiosa na caracterização da função cerebrovascular na doença renal crônica. As mudanças no fluxo sangüíneo no cérebro de crianças, adolescentes e adultos jovens com doença renal crônica podem explicar por que muitos enfrentam um risco maior de comprometimento cognitivo, de acordo com um estudo publicado online na revista Radiology.

Pesquisas anteriores ligaram a doença renal crônica - uma condição caracterizada pela perda da função renal ao longo do tempo - com lesões na substância branca portadora de sinal do cérebro e déficits no desempenho cognitivo. Embora a doença renal crônica em adultos seja frequentemente associada a distúrbios relacionados à idade, como hipertensão e diabetes, a doença na infância geralmente ocorre congenitamente, mas ainda afeta o desenvolvimento cerebral e a função cognitiva.

De acordo com o co-autor John A. Detre, professor de neurologia e radiologia, diretor do Centro de Neuroimagem Funcional em Radiologia e vice-presidente de pesquisa em neurologia na Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia, não está claro se os problemas cerebrais da doença renal observados em adultos são secundários à hipertensão produzida pela doença. O estudo teve como objetivo olhar para pacientes com doença renal precoce, antes de terem passado por décadas de pressão alta, assim, os estudiosos poderiam separar os efeitos da doença renal daqueles da hipertensão crônica.

O pesquisador e sua equipe avaliaram o fluxo sangüíneo no cérebro de 73 pacientes com a doença renal pediátrica, com idade média de menos de 16 anos e com 57 participantes com controle semelhante à idade. Para a pesquisa usaram a marcação arterial spin, uma técnica de ressonância magnética (MRI), que pode quantificar de forma não invasiva o fluxo sanguíneo no cérebro. Os pacientes com doença renal apresentaram maior fluxo sangüíneo cerebral em comparação com controles em certas regiões do cérebro - uma descoberta surpreendente, considerando que a diminuição do desempenho cognitivo geralmente está associada à diminuição do fluxo sanguíneo no cérebro, como no envelhecimento e na demência.

Segundo Detre o fluxo sanguíneo cerebral e a pressão sanguínea da substância branca também foram correlacionados, sugerindo que os pacientes com doença renal têm problemas com a autorregulação cerebrovascular - o processo que controla a pressão sanguínea no cérebro, e que este tipo de disfunção pode levar potencialmente a lesões na substância branca. Como a doença renal crônica parece afetar a fisiologia e a função do cérebro, mesmo no início da doença, este estudo dá pistas sobre quais mudanças na fisiologia do cérebro podem estar por trás das mudanças cognitivas.

Entre essas mudanças estavam diferenças no fluxo sanguíneo entre pacientes e controles em áreas do cérebro que se correlacionavam com problemas cognitivos nos pacientes. Em comparação com os controles, os pacientes com doença renal tinham diferenças no fluxo sanguíneo cerebral na rede de modo padrão, a rede de regiões do cérebro ativa quando uma pessoa não está focada em uma tarefa específica. Pacientes com baixa função executiva, ou habilidades relacionadas ao planejamento, organização e atenção, tiveram diferenças significativas no fluxo sanguíneo cerebral em comparação com os controles.

Detre explica que o fluxo sangüíneo cerebral é um parâmetro fisiológico criticamente importante que você pode medir em apenas alguns minutos com a rotulagem da rotação arterial, e que esta técnica, que não requer o uso de contraste - contra-indicado em pacientes com disfunção renal, fornece uma maneira não invasiva de quantificar o fluxo sanguíneo cerebral. Os achados apontam para medidas de fluxo sanguíneo cerebral com rotulação arterial como ferramenta potencialmente valiosa na caracterização da função cerebrovascular na doença renal crônica. Esta é uma importante área de pesquisa, dadas as associações entre a doença renal e a função neurológica, e o risco significativamente aumentado de ataque isquêmico transitório e acidente vascular cerebral, mesmo em pacientes renais crônicos leves.

Acesse o estudo na íntegra no site: www.pubs.rsna.org/journal/radiology

Referência: Liu H., Hartung EA, Jawad AF, et al. "Fluxo Sanguíneo Cerebral Regional em Crianças e Jovens Adultos com Doença Renal Crônica." Radiologia , 12 de junho de 2018.  https://doi.org/10.1148/radiol.2018171339

Fontehttps://www.itnonline.com/content/children-kidney-disease-show-blood-flow-changes-brain

 

 

  

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS