TC e RM cerebral anormais indicam gravidade em bebês com vírus Zika

No estudo, os pesquisadores da Califórnia e do Brasil exploraram a possível associação entre a presença de anormalidades estruturais visíveis no cérebro na ressonância magnética e tomografia computadorizada do bebê ao nascer e os resultados clínicos futuros.

05 Ago, 2019

As ressonâncias magnéticas e tomográficas de bebês com o vírus Zika (ZIKV) tiveram uma associação significativa com desfechos clínicos graves, especialmente naqueles inicialmente afetados pelo vírus durante o primeiro trimestre da gravidez, de acordo com um estudo publicado online em 31 de julho no JAMA Network Open . 

Os autores do estudo, liderados pelos drs. Kara-Lee Pool e Kristina Adachi, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, observaram que os estudos clínicos iniciais do vírus Zika mostraram que ele pode levar a uma ampla gama de anormalidades que afetam o sistema nervoso central, muitas das quais são visíveis em imagens médicas convencionais.

No presente estudo, os pesquisadores da Califórnia e do Brasil exploraram a possível associação entre a presença de anormalidades na ressonância magnética e tomografia computadorizada do bebê ao nascer e os resultados clínicos futuros. Eles avaliaram 110 crianças expostas ao Zika que foram submetidas a exames de ultrassonografia, seguidas de exames de ressonância magnética por tomografia computadorizada e/ou ressonância magnética de 1,5 tesla, após terem nascido em um hospital no Rio de Janeiro. Além dos exames de imagem, os bebês foram submetidos a exames neurais, visuais e auditivos abrangentes entre março de 2016 e junho de 2017.

Entre os bebês expostos ao zika, 62% tinham sintomas clínicos graves (anormalidades proeminentes do sistema nervoso central ao nascer), 5% tinham sintomas moderados (problemas neurológicos leves) e 33% não tinham sintomas detectados, descobriram os pesquisadores. Os sintomas incluíram condições neurológicas (65% de todas as crianças), distúrbios estruturais, como microcefalia (49%), sequência de ruptura cerebral fetal (45%) e contraturas congênitas (15%).

Em termos de imagem, 65% das crianças tinham achados anormais em seus exames de ressonância magnética e tomografia computadorizada. Aproximadamente 96% dos lactentes com ressonância magnética e tomografia computadorizada anormais também apresentaram sintomas clínicos graves ao nascer e foram mais comumente afetados por calcificações cerebrais (99% dos lactentes), malformações do córtex cerebral (95%), ventriculomegalia (93%) e volumes cerebrais reduzidos (87%), entre outras anomalias cerebrais.

Os pesquisadores também descobriram que certos achados anormais na ressonância magnética e na TC eram muito mais comuns entre crianças classificadas como tendo sintomas clínicos graves causados ​​pelo Zika. Por exemplo, todas as crianças com microcefalia, sequência de ruptura cerebral fetal, contraturas congênitas e audição ruim tiveram achados anormais de imagem, enquanto aqueles sem esses sintomas raramente tiveram achados de imagem anormais.

Associação entre sintomas clínicos relacionados à zika e tomografia anormal, ressonância magnética

 

Sem sintomas

Sintomas leves ou moderados

Sintomas graves

% de crianças com CT anormal, MRI

6%

17%

100%

As diferenças foram estatisticamente significantes (p <0,001).

Além disso, as anomalias cerebrais foram mais frequentemente visíveis nos exames de ressonância magnética e tomografia computadorizada de crianças expostas ao Zika nos primeiros estágios da gravidez: 63% das crianças expostas no primeiro trimestre da gravidez tiveram anormalidades de neuroimagem, em comparação com 13% das crianças no segundo trimestre trimestre e 1% no terceiro.

O odds ratio para achados anormais de neuroimagem - notavelmente, malformações no córtex e calcificações cerebrais - foi quase oito vezes maior para crianças expostas ao vírus no primeiro trimestre (p <0,001).

Associação entre o tempo de infecção pelo zika e tomografia anormal, ressonância magnética

 

1º trimestre

2º trimestre

3º trimestre

% de crianças com alguma anormalidade na tomografia computadorizada, ressonância magnética

63%

13%

1%

% de crianças com malformação do córtex

63%

11%

2%

% de lactentes com calcificações cerebrais

64%

11%

2%

 

"Centrada nos achados de Pool, et al e outros, a neuroimagem precoce continua sendo uma das investigações mais valiosas da criança exposta ao Zika", escreveu a Dra. Sarah Mulkey, PhD, em um comentário em anexo ( JAMA Netw Open , 31 de julho). , 2019, Vol. 2: 7, pp. E198137).

Para a maioria dos casos, a ultrassonografia ainda deve ser a modalidade de imagem de primeira linha, e os clínicos devem recorrer à TC e à ressonância magnética somente se a ultrassonografia craniana se mostrar anormal, observou Mulkey. "Vincular as anomalias de neuroimagem precoce em crianças expostas ao ZIKV à trajetória do neurodesenvolvimento é a próxima grande área importante para entender a carga do ZIKV na criança em desenvolvimento", escreveu ela. "A saúde pública e os sistemas educacionais precisam estar preparados para as necessidades médicas, físicas e educacionais das crianças expostas ao ZIKV."

Fonte: AuntMinnie.com

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS