US com contraste por microesferas para o tratamento do infarto agudo do miocárdio

Estudo do InCor ganhou o prêmio de melhor trabalho do 6º Congresso Brasileiro de Imagem Cardiovascular

20 Abr, 2016

 

Pesquisa apresentada pelo Departamento de Ecocardiografia do Instituto do Coração de São Paulo (InCor) sobre a utilização do ultrassom com microesferas, comumente utilizadas como agentes de contraste por microbolhas, no tratamento de pacientes com infarto agudo do miocárdio ganhou o prêmio de melhor trabalho do 6º Congresso Brasileiro de Imagem Cardiovascular (28º Congresso de Ecocardiografia), realizado em Belo Horizonte de 7 a 9 de abril.

 

"O prêmio é um reconhecimento ao   trabalho da equipe, que  será publicado em uma das mais importantes revistas de cardiologia do mundo, o ‘Journal of the American College of Cardiology – JACC’, comemorou o professor Wilson Mathias Jr., diretor do Departamento de Ecocardiografia do InCor SP.

 

Durante o congresso, os médicos Bruno Tavares e Miguel Osman, da equipe do InCor, apresentaram os resultados dos estudos da Sonotrombólise – técnica que emprega o ultrassom, associado à aplicação endovenosa de contraste por microesferas no tratamento do infarto agudo do miocárdio com potencial para aplicação de outras síndromes trombóticas, como o acidente vascular encefálico (AVC) e a trombose venosa profunda (TVP).

 

O procedimento requer a aplicação de ultrassom sobre o coração do paciente, na área do infarto, porém sem a finalidade de gerar imagens: quando as microesferas injetadas na corrente sanguínea entram no campo do ultrassom, elas vibram e se rompem, formando microexplosões na região do coágulo que causam a desobstrução mecânica da artéria.

 

Os estudos realizados no InCor demonstram que o procedimento é simples, eficaz e com resultados positivos, principalmente no atendimento de emergência dos pacientes na fase superaguda do infarto do miocárdio. "No nosso estudo em particular, tivemos um êxito de 80% de recanalização, um índice muito alto. Essa tecnologia tem o potencial de abordar o paciente na sua chegada ou em um hospital de referência, ou no futuro, até mesmo em uma sala de emergência por mais simples que seja.

 

Uma vez detectado o infarto agudo do miocárdio você pode, com aparelhos portáteis – essa é uma visão do futuro não tão distante – colar no tórax do paciente uma fonte emissora de ultrassom que, programada pelo aparelho, vai automaticamente emitir o ultrassom de forma intermitente durante a efusão endovenosa de um agente composto por microesferas. Essa tecnologia tem uma chance muito alta de abrir as artérias obstruídas no infarto agudo do miocárdio", afirmou o professor Wilson Mathias Jr. Segundo ele, a tecnologia deve estar disponível entre cinco a dez anos.

 

O assunto foi abordado em reportagem publicada no jornal ID Interação Diagnóstica, em outubro, quando Wilson Mathias jr. retornava de Chicago do “Bubble Meeting”, onde o estudo foi apresentado para a comunidade médica da imagem internacional.

 

Segundo ele, existem empresas que estão estudando a confecção de capacetes que ativarão o ultrassom com microesferas do lado oposto da parte com déficit motor em pacientes com AVC. "O impacto para a medicina do mundo todo é gigantesco, tendo em vista que pelo menos 30% da população do planeta morre por doenças cardiovasculares, onde a principal causa são as doenças trombóticas como infarto e o AVC", disse.

 

 

 

 

 

Imagem: Plano apical de 4 câmaras, demonstrando área de infarto em região apical do ventrículo esquerdo. Note brilho súbito, indicando pulso de alta energia que

destrói todas as microesferas no miocárdio e cavidade ventricular.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na foto da equipe: Prof. Wilson Mathias e dra. Jeane Tsutsui, drs. Bruno Tavares e Miguel Osman, do InCor-SP, convidados do Congresso Brasileiro de Ecocardiografia, e Janaina Serikawa e Fernando Porala, da Bracco Imaging.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS