Ultrassonografia no final da gestação pode reduzir a taxa de cesariana

A ultrassonografia universal de gravidez tardia em mulheres nulíparas eliminaria virtualmente a apresentação pélvica não diagnosticada, reduziria a mortalidade fetal na apresentação pélvica.

17 Abr, 2019

A realização de ultrassonografia no final da gestação ajuda as mulheres a evitar a apresentação pélvica (bebê sentado) não diagnosticada de seus bebês, traduzindo-se em melhores resultados clínicos, menores taxas de cesáreas de emergência e, talvez, até em menores custos para o sistema de saúde, conforme estudo publicado em 16 de abril na revista PLOS Medicine.

Essa informação é muito importante, em especial no último mês da gravidez, pois pode ser um determinante para a via de parto. Ao atingir um certo peso e avançar nas semanas da gravidez, fica mais difícil o bebê mudar sua apresentação. Nos fetos transversos podemos ter a cabeça, ou pólo cefálico, para a direita ou para a esquerda. As descobertas são uma boa notícia não só para as mulheres e seus bebês, mas também para o sistema de saúde, escreveu uma equipe liderada por David Wästlund, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

"De acordo com nossas estimativas, a ultrassonografia universal de gravidez tardia em mulheres nulíparas eliminaria virtualmente a apresentação pélvica não diagnosticada, reduziria a mortalidade fetal na apresentação pélvica e seria custo-efetivo se a apresentação fetal pudesse ser avaliada por menos de 19,80 libras [25,95 dólares]. EUA] por mulher ", escreveu o grupo.

A apresentação da culatra fetal aumenta o risco de complicações para o bebê e para a mãe, observaram Wästlund e colegas. Normalmente, a posição de um bebê é avaliada pela palpação do abdome da mulher, mas a sensibilidade dessa técnica varia de acordo com o praticante.

"Apesar da relativa facilidade com que a apresentação pélvica pode ser identificada através do rastreamento ultrassonográfico, a avaliação da apresentação fetal a termo é frequentemente baseada apenas no exame clínico", escreveram os pesquisadores. "Devido a limitações nesta abordagem, muitas mulheres chegam em trabalho de parto com uma apresentação pélvica não diagnosticada."

Os pesquisadores realizaram a triagem ultrassonográfica em 36 semanas de gestação em 3.879 mulheres inglesas que tiveram primeira gestação entre janeiro de 2008 e julho de 2012. Destas, 179 (4,6%) foram diagnosticadas com apresentação de culatra. Em mais da metade deles (54%), a apresentação pélvica não havia sido suspeitada antes do parto.

Às mulheres com bebês em posição de culatra foram oferecidos um procedimento chamado versão cefálica externa (ECV) para tentar virar o bebê; para aqueles que não queriam esse procedimento ou para quem não trabalhava, foi agendada uma cesariana.

Os pesquisadores também estimaram o custo da ultrassonografia universal no final da gravidez usando dados do Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra (NHS) para comparar os desfechos de nascimento de gravidez pélvica rastreados com e sem ultrassom.

O procedimento do ECV foi tentado em 84 (46,9%) das mulheres com bebês pélvicos e obteve sucesso em 12 (14,3%). Das 179 mulheres com bebês pélvicos, os pesquisadores descobriram o seguinte:

  • 10,6% parto vaginal (seguindo uma versão planejada ou espontânea);
  • 61,5% entregues por cesariana eletiva;
  • 27,9% entregues por cesariana de emergência (devido à mão de obra que inicia antes da data prevista para a cesárea).

"Nenhuma mulher da coorte teve um parto pélvico vaginal ou experimentou uma cesariana intraparto para a pélvis não diagnosticada", observaram os pesquisadores.

Wästlund e seus colegas estimaram que a ultrassonografia de rotina no final da gravidez pode evitar quase 15.000 apresentações pélvicas não diagnosticadas, mais de 4.000 cesarianas de emergência e sete a oito mortes de bebês por ano. Mas o efeito da intervenção nos custos de saúde precisa de mais pesquisas, escreveu o grupo: "Se a ultrassonografia universal pudesse ser fornecida por menos de 12,90 libras [16,91 dólares] por escaneamento, a política também seria econômica". Mas não está claro se isso é possível.

"Se este procedimento puder ser implementado em cuidados de rotina, por exemplo, por parteiras conduzindo uma rotina [escaneamento em 36 semanas de gestação] e usando um sistema de ultrassom portátil, é provável que seja custo-efetivo", concluiu o grupo. "Tal programa deverá reduzir as consequências para a criança de apresentação pélvica não diagnosticada, incluindo morbidade e mortalidade".

Fonte:  AuntMinnie.com/O ultra-som no final da gravidez pode reduzir a taxa de cesariana

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS