Uma boa higiene oral pode melhorar os resultados do Coronavírus?

“A partir da vasculatura oral, o vírus passaria pelas veias do pescoço e do tórax, e atingiria o coração ... Propomos que o acúmulo de placa dentária e a inflamação“A partir da vasculatura oral, o vírus passaria pelas veias do pescoço e do tórax, e atingiria o coração ... Propomos que o acúmulo de placa dentária e a inflamação periodontal intensificassem ainda mais essa via. Portanto, sugere-se que a higiene oral diária e a saúde bucal deve ser priorizada, pois tais medidas podem salvar vidas em pacientes com COVID-19. " periodontal intensificassem ainda mais essa via. Portanto, sugere-se que a higiene oral diária e a saúde bucal deve ser priorizada, pois tais medidas podem salvar vidas em pacientes com COVID-19. "

29 Abr, 2021

As imagens médicas ajudaram a mostrar que a infecção por SARS-CoV-2 pode ser acelerada pela placa dentária e inflamação da gengiva, de acordo com um artigo de  abril no Journal of Oral Medicine and Dental ResearchA SARS-CoV-2 pode passar para o corpo através de uma via oral-vascular-pulmonar, em vez de uma via aérea superior - e a falta de higiene oral pode acelerar essa jornada, escreveu uma equipe liderada pelo Dr. Graham Lloyd-Jones do Hospital Distrital de Salisbury no Reino Unido. "A saliva é um reservatório de SARS-CoV-2, portanto, qualquer violação das defesas imunológicas da boca pode facilitar a entrada do vírus na vasculatura através do sulco gengival ou bolsa periodontal", observou o grupo. “A partir da vasculatura oral, o vírus passaria pelas veias do pescoço e do tórax, e atingiria o coração ... Propomos que o acúmulo de placa dentária e a inflamação periodontal intensificassem ainda mais essa via. Portanto, sugere-se que a higiene oral diária e a saúde bucal deve ser priorizada, pois tais medidas podem salvar vidas em pacientes com COVID-19. "

Apesar de muita pesquisa, ainda não está completamente claro por que o COVID-19 varia em gravidade de paciente para paciente, de acordo com Lloyd-Jones e colegas. Também não está claro exatamente como o vírus entra no corpo de uma pessoa. Uma hipótese chave é que ele penetra pelas vias aéreas superiores, mas as evidências radiológicas de exames de TC não necessariamente confirmam isso. “Os achados radiológicos pulmonares no COVID-19 não se alinham com um modelo de infecção por SARS-CoV-2 que causa principalmente doença das vias aéreas dos pulmões; as características patológicas iniciais e dominantes demonstradas radiologicamente são de natureza vascular”, escreveu o grupo.

Mesmo as muito citadas opacidades em vidro fosco encontradas na TC não são necessariamente específicas para COVID-19 e novamente apontam para o efeito da doença no sistema vascular.

Em seu artigo, os autores esboçaram uma hipótese para a via de infecção para SARS-CoV-2:

  • O vírus passa da saliva pela gengiva e chega ao sangue.
  • Ele desce os vasos sanguíneos do pescoço e do tórax até o coração.
  • É bombeado do coração para as artérias pulmonares e entregue aos pequenos vasos da periferia dos pulmões.
  • O vírus se liga ao receptor da enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2) endotelial, o que resulta em um aumento no hormônio angiotensina II.

Níveis mais elevados de angiotensina II levam à vasoconstrição, imunotrombose e congestão vascular, e a congestão vascular leva à dilatação anormal dos vasos sanguíneos, de acordo com os autores. A disfunção endotelial leva à opacificação em vidro fosco. "Simplificando, se o vírus pudesse passar da saliva ou do ambiente periodontal [subgengival] para a drenagem venosa da boca, ele seria primeiramente liberado diretamente para os pequenos vasos da periferia do pulmão", escreveram os autores. "É exatamente aqui que ocorre a imunotrombose."

O mecanismo de transmissão viral da cavidade oral para os pulmões poderia explicar tanto as aparências radiológicas quanto a variabilidade clínica da doença, escreveram Lloyd-Jones e colegas. “A má saúde bucal pode atuar como um fator de risco para identificar indivíduos com maior probabilidade de desenvolver doença pulmonar COVID-19, ou aqueles que podem progredir para doença grave que leva à internação em terapia intensiva, ventilação mecânica ou morte”, escreveram eles.

Os efeitos do COVID-19 poderiam ser mitigados por uma intervenção simples, como o uso regular de enxaguatório bucal? Talvez, escreveram os autores. O grupo citou um estudo de Marouf et al publicado recentemente no Journal of Clinical Periodontology que mostrou uma associação entre periodontite e complicações do COVID-19, internação em terapia intensiva e necessidade de ventilação assistida. "Se esta via patológica proposta for verificada, será extremamente significativo em termos de compreensão do manejo da doença", concluíram os autores. “Medidas simples e de baixo custo, como o uso de enxaguatórios bucais específicos, podem diminuir a carga viral salivar e ajudar a prevenir ou mitigar o desenvolvimento de doenças pulmonares e COVID-19 grave”.

Fonte: https://www.auntminnie.com/index.aspx?sec=sup&sub=cto&pag=dis&ItemID=132206

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS