Pesquisadores brasileiros descobrem efeitos benéficos do benzonidazol na doença de Chagas crônica

No Brasil estima-se que existam entre 1 e 4 milhões de infectados pela doença de Chagas. Cerca de 30% devem vir a desenvolver a forma mais grave da doença.

04 Fev, 2019

Estudo realizado por pesquisadores brasileiros sugere que o benzonidazol também traz benefícios no tratamento da forma crônica da doença de Chagas. O trabalho científico sobre o tratamento da doença de Chagas foi conduzido pelas dras. Ester Sabino, do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo e Clareci Silva Cardoso, da Universidade Federal de São Joao del-Rey, foi publicado na revista científica americana PLOS ONE.

De acordo com Clareci Cardoso o estudo, em conjunto com outras evidências disponíveis, sugere que pacientes sem cardiopatia aparente (eletrocardiograma normal, sem cardiomegalia ou insuficiência cardíaca) se beneficiam do tratamento. "Nossos resultados sugerem que o tratamento com o benzonidazol deva ser realizado de forma mais precoce possível, antes que o paciente com Chagas desenvolva cardiopatia avançada, ou seja antes dos 50 anos de idade. Pacientes previamente tratados com benzonidazol apresentaram redução significativa da parasitemia, menor frequência de marcadores de cardiomiopatia grave e redução da mortalidade," diz a cientista.

"Se usado nas fases iniciais da doença, o tratamento com benzonidazol pode resultar em melhores resultados clínicos e parasitológicos. Como existem milhões de pacientes com doença de Chagas sem tratamento no mundo e não há novos tratamentos disponíveis no futuro previsível, é razoável considerar o tratamento de todos os pacientes com doença de Chagas sem cardiopatia avançada com benzonidazol," afirma Cardoso.

O benzonidazol é um medicamento usado para o tratamento específico da doença de Chagas. Embora seja o fármaco de primeira escolha para o tratamento da doença em sua fase aguda, considerava-se até hoje o benzonidazol como sendo um medicamento muito pouco eficaz para cura de pacientes durante a fase crônica da doença.

Doença de Chagas

A doença de Chagas possui uma forma aguda e uma forma crônica. A forma aguda pode surgir de 5 a 14 dias após a infecção, mas quase sempre é assintomática. Causa febre, mal-estar, inchaço do fígado e do baço.

A forma crônica pode passar anos silenciosa. Suas manifestações podem levar de 20 a 40 anos para surgir e, ao se manifestar, pode comprometer o coração, intestinos, esôfago, estômago, meninges e o cérebro - levando nos casos mais graves ao infarto.

 

Dados sobre a doença

Em tempos de dengue, zika e febre amarela, pouco se fala da doença de Chagas, considerada a 17ª mais importante enfermidade negligenciada, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). 

 

A doença de Chagas, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, é uma das mais importantes doenças negligenciadas e uma das principais causas de cardiopatia e morte na América Latina, onde é endêmica com 5,7 milhões de pessoas infectadas. 

 

No Brasil, são mais de 1,1 milhão de infectados no país, de acordo com a OMS. Acredita-se, no entanto, que existam até 4 milhões de portadores do parasita no Brasil, e que cerca de 30% destes desenvolvam problemas graves.

 

Com a migração contínua da América Latina para a América do Norte e Europa, a doença de Chagas se tornou um problema global, com centenas de milhares de pessoas infectadas vivendo em países não endêmicos. Estima-se que nos Estados Unidos, por exemplo, existam hoje cerca de 300 mil infectados.

 

O medicamento

 

O benzonidazol atua inibindo ou impedindo a capacidade de multiplicação do parasita Trypanosoma cruzi. Acredita-se que a cura parasitológica ocorra em 60% a 85% dos pacientes na fase aguda. O benzonidazol é fornecido gratuitamente pelo Ministério da Saúde.

 

Esse medicamento foi desenvolvido pelo Centro de Pesquisas da Roche em 1972, na Suíça. Em 2003, os direitos e a tecnologia de fabricação do benzonidazol foram cedidos ao Brasil pela Roche para ser produzido pelo Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco (LAFEPE). Em 2008, o Brasil passou a ser o único produtor do medicamento, sendo responsável pelo seu fornecimento a outros países. Atualmente o benzonidazol vem sendo produzido em vários países, incluindo Argentina, El Salvador, e também na África. 

 

Conheça o artigo completo publicado no endereço: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0006814

 

Fonte: Agência Brasileira de Divulgação Científica/Imagem: Bio-Manguinhos/Fiocruz 2014 e Ministério da Saúde

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS